slots magia -O Senado aprovou na quarta-feira (8) uma proposta de reforma tributária diferente daquela já aprovad

Senado e Câmara dslots magia -iscordam sobre reforma tributária

O Senado aprovou na quarta-feira (8) uma proposta de reforma tributária diferente daquela já aprovada pela Câmara dos Deputados em julho. Isso representa que,âmaradiscordamsobrereformatributáslots magia - para entrar em vigor, o projeto terá de ser novamente avaliado pelos deputados federais.

Continua após publicidade

Caso eles não concordem com todas as mudanças aprovadas, a reforma pode ser novamente modificada. Isso obrigaria que ela voltasse novamente a ser votada por senadores, criando um efeito "pingue-pongue" – algo que o governo quer evitar.

:: Como ficam alimentos e remédios na reforma tributária? Entenda a proposta aprovada em 26 pontos ::

O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), afirmou ainda na semana passada que o governo quer a reforma tributária promulgada neste ano. Por isso, vai se empenhar para discutir com deputados formas para que ela avance de forma definitiva.

"Temos confiança de que agora a gente possa concluir o trabalho da Câmara o mais rápido possível para que a reforma seja promulgada", disse.

:: Senado aprova texto-base da reforma tributária ::

Padilha ressaltou que o deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), relator da proposta de reforma na Câmara dos Deputados, acompanhou a tramitação dela no Senado. Está, portanto, ciente das mudanças promovidas por senadores e já estuda até alternativas para facilitar a tramitação do projeto até que ele vire lei.

Ribeiro, aliás, afirmou que é possível inclusive que a proposta seja fatiada. Nesse cenário, pontos em que Câmara e Senado estão de acordo poderiam ser promulgados mais rapidamente. Pontos divergentes poderiam ser avaliados de forma separada e continuariam sendo discutidos no Congresso até um acordo entre as Casas.

O deputado disse que técnicos da Câmara vão estudar a possibilidade.

Diferenças

São inúmeras as diferenças entre os textos aprovados na Câmara e no Senado. Só em sua avaliação na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, por exemplo, a reforma recebeu 247 emendas, isto é, sugestões de mudanças incorporadas ao projeto.

:: Entidades pressionam para que reforma tributária não favoreça agrotóxicos e ultraprocessados ::

O próprio relator do projeto no Senado, senador Eduardo Braga (MDB-PA), também fez várias modificações no texto avalizado por deputados. Durante a votação da proposta no plenário da Casa, também foram feitas outras mudanças.

:: Relator quer imposto sobre extração de recursos naturais  ::

Considerando todas as etapas de tramitação da reforma pelo Senado, as principais alterações aprovadas são as seguintes:

Setores com alíquota reduzida

Novos segmentos de produtos e serviços foram incluídos na lista de itens com tributação de 40% da padrão – ou seja, 60% de desconto nos impostos. Entraram: comunicação institucional, produtos de limpeza, setor de eventos e nutrição para bebês.

Também foram beneficiados profissionais liberais com atividades regulamentadas, como médicos e advogados. Eles terão 30% de desconto em impostos sobre suas atividades.

Vale lembrar que, na prática, isso beneficia apenas empresas, escritórios e clínicas que faturam mais de R$ 4,8 milhões por ano. Isso porque a maior parte dos profissionais autônomos, que ganham abaixo desse valor, está incluída no Simples Nacional.

Alíquota zero

A proposta do Senado isentou de impostos: serviços prestados por instituição científica; compra de automóveis por taxistas e por pessoas com deficiência; compra de medicamentos pelo Poder Público; reabilitação urbana de zonas históricas.

:: Aprovação de taxação a super-ricos é vitória do governo, que corre para aprovar pacote econômico ::

Regimes específicos

Foram incluídos pelo Senado na lista de setores que terão seus impostos apurados de forma específica, não necessariamente com desconto: agências de viagem; concessão de rodovias; missões diplomáticas; serviços de saneamento; telecomunicações; sociedades anônimas de futebol; serviços de transporte coletivo intermunicipal e interestadual.

Revisão periódica

O Senado estabeleceu que, a cada cinco anos, benefícios e exceções previstos na reforma serão reavaliados. Eles, portanto, poderão perder privilégios hoje previstos.

:: Qual é a reforma tributária necessária para a realidade brasileira? ::

Recursos naturais

O senador Eduardo Braga incluiu na reforma a possibilidade de taxação de até 1% sobre a exploração de recursos naturais não renováveis no país. O Imposto Seletivo seria cobrado sobre essa atividade. Isso seria uma forma de compensar os danos ambientais causados, por exemplo, pela mineração de ouro ou extração de petróleo.

:: Oito anos após rompimento de barragem em Mariana, atingidos do rio Doce ainda sofrem sem diálogo e reparação ::

Imposto Seletivo

O Senado estabeleceu a cobrança sobre armas e munições, exceto as usadas pela administração pública. Também retirou da lista de atividades que poderiam ser tributadas pelo "imposto do pecado", pensado para taxar o que faz mal à saúde e ao meio ambiente: telecomunicações, energia; produtos que concorrem com os da Zona Franca de Manaus.

:: 'Simplificação não é prioridade para uma reforma tributária', diz integrante do Justiça Fiscal ::

Cesta básica

A reforma tributária prevê benefícios tributários para dois tipos de cestas básicas no país. A primeira, menos diversa e mais essencial, seria completamente isenta. Já a segunda, mais numerosa e flexível, teria tributação reduzida, a qual poderia ser completamente devolvida a consumidores de baixa renda via cashback. A lista dos itens isentos deve ser definida por lei complementar, segundo o texto aprovado no Senado.

Cashback

O Senado também aprovou cashback sobre os tributos da conta de luz e do botijão de gás para famílias de baixa renda.

:: Reforma tributária propõe dois tipos de cesta básica e cashback em tributo sobre alimento ::

Trava

Eduardo Braga incluiu no texto uma espécie de trava para a carga tributária nacional. A ideia é que seja fixada uma carga tributária de referência. Ela será o percentual médio de tributos sobre consumo cobrados no país entre 2012 e 2021 sobre o Produto Interno Bruto (PIB) desse período. A reforma não pode elevar tributos acima desse percentual. De cinco em cinco anos, isso será avaliado. Se a carga subir, a alíquota dos impostos será rebaixada.

Fundo de Desenvolvimento Regional

A reforma prevê a criação de um Fundo de Desenvolvimento Regional com recursos da União para promover regiões menos desenvolvidas. A Câmara previa que esse fundo tivesse até R$ 40 bilhões. O Senado o ampliou para R$ 60 bilhões.

:: Sem justiça tributária não há justiça social ::

Fundo de Desenvolvimento Sustentável

O Senado também criou o Fundo de Desenvolvimento Sustentável, que será destinado a estados do Norte com áreas de livre comércio. Inicialmente restrito ao Amazonas, foi ampliado para Acre, Rondônia, Roraima e Amapá.

Setor automotivo

Foram prorrogados até 31 de dezembro de 2032 os incentivos tributários concedidos a montadoras instaladas no Norte, no Nordeste e no Centro-Oeste. O incentivo servirá somente a produção de automóveis elétricos ou movidos a biocombustíveis, como o etanol.

:: 'Trabalhadores devem disputar reforma tributária para país ter justiça social', defendem especialistas ::

Incentivo a estados e municípios

Estados e municípios que aumentarem arrecadação ao longo do tempo acima da média dos demais entes receberão maior parcela do Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), de competência dos estados e dos municípios.

Fundo de Compensação de Benefícios Fiscais

Foi criado uma espécie de seguro-receita para compensação da perda de arrecadação dos entes federativos com o fim de incentivos fiscais sobe de 3% para 5% do IBS; estados e municípios com maior perda em termos percentuais recebem mais.

Foi criado uma espécie de seguro-receita para compensação da perda de arrecadação dos entes federativos com o fim de incentivos fiscais. Os senadores aumentaram esse valor de 3% do IBS, conforme aprovado na Câmara, para para 5%. Estados e municípios com maior perda em termos percentuais recebem mais.

:: Não precisa se preocupar: a taxação dos super-ricos não é sobre você ::

Comitê Gestor

A proposta prevê a criação de um comitê encarregado de gerir a cobrança e a arrecadação do IBS. O órgão será exclusivamente técnico, assegurando divisão correta dos recursos, sem capacidade de propor regulações ao Legislativo. O presidente terá de ser sabatinado pelo Senado.

Com informações da Agência Câmara e Agência Brasil

Edição: Nicolau Soares


Relacionadas

  • Como ficam alimentos e remédios na reforma tributária? Entenda a proposta aprovada em 26 pontos

  • Senado aprova texto-base da reforma tributária; projeto volta para a Câmara

  • Com novas emendas, comissão do Senado aprova texto-base da reforma tributária; proposta agora segue para o plenário

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap